terça-feira, maio 15, 2012

" A morte é um sono sem sonhos".

"Aquilo que a lagarta chama fim do mundo, o homem chama borboleta"
Richard Bach

" A morte é um sono sem sonhos".
Napoleão Bonaparte

Com estes dois pensamentos começo o post de hoje... para vos falar mais uma vez de partidas, da morte...
Desta vez não para falar de ninguém próximo de mim, graças a Deus, mas para falar de algo que me incomoda de certa maneira. Este ano de 2012, tem sido um ano complicado, não há quase semana nenhuma que não tenho conhecimento que mais alguém que conheço ou com quem já privei morreu. Nós sabemos que a natureza da vida é mesmo essa, como dizem muitos "ninguém fica cá para semente."
Mas começa a fazer-me alguma impressão ver pessoas da minha geração e pouco mais velhos, com tanto ainda na vida para dar (de certeza que tinham muito ainda para viver), a porem termo à vida, sem se entender muito bem o porquê...
Quando desaparece alguém por doença, ou por ter uma idade avançada, dói, mas ver pessoas tão jovens a morrer, sinto-o como se fosse algo de anti-natura.
Cada um sabe de si... a cada um cabe tomar conta da sua vida, aos que ficam, resta chorar as suas perdas, resta tentar avançar para a frente.
A todos, não se esqueçam de viver a vida, de tornarem cada dia único, cada hora aquela, cada gesto, cada sorriso aquele que faz o coração transbordar de felicidade. E lembrem-se... todos os dias que acordamos, por muito mau que possa ser o acordar, e por muito que nos custe ir trabalhar, devemos sempre lembrar, de quem neste momento gostaria de ter o despertador a tocar para um novo dia.
Beijos a todos e particularmente a quem perdeu recentemente alguém que lhe seja querido.
A figura da pessoa vai-se, mas no coração fica sempre todas as coisas boas, que essas pessoas deixaram.

Sandra C.

1 comentário:

Marta Martins ♥ disse...

Que texto maravilhoso e cheio de sentimento. Já vi que para alem do talento para as artes manuais também tens talento para escrita !