terça-feira, maio 15, 2018

Joana- Amor para a vida toda!


A entrevista que vos trago hoje, é de uma pessoa especial, como todas as pessoas que aqui trago.
Conheci a Joana ainda era uma menina... a nossa Joaninha.
A Joaninha cresceu, casou e agora é mãe pela primeira vez!
Podia entrevistar muitas primeiras mães, mas decidi que a Joana era a pessoa certa! E aqui está ela a contar nas suas palavras esta aventura, sua, do Ricardo e da pequena Leonor!


Joana foste mãe pela primeira vez ainda não fez um ano. 
Como está a correr esta aventura?
- A aventura de ser mãe começou no dia 17 de novembro de 2017, há quase 6 meses. Está a ser uma experiência única e maravilhosa. Estou a adorar ser mãe! Confesso que os dois primeiros meses foram os mais cansativos, era tudo novidade, ainda estava em fase de adaptação à bebé e ela a mim, e principalmente à nova vida a três.  A nossa vida mudou completamente com a chegada deste pequeno ser. Muitas horas sem dormir, refeições fora de horas, muitas dúvidas, medos, receios...mas vale tudo a pena. Todos os dias existe algo novo a aprender, todos os dias são o primeiro dia de alguma coisa para a Leonor e sabe tão bem ver esses pequenos momentos. Não trocaria esta vida por nada deste mundo.

Ser mãe sempre foi um sonho que tiveste?
- Sempre sonhei em ser mãe, pois adoro bebés e crianças. Quando era pequena sonhava em casar e ter filhos. Uma das minhas brincadeiras favoritas era brincar às famílias. Eu tinha sempre dois ou três filhos. :)

Presumo que tenha sido muito emotivo quando soubeste da noticia?
- Sim. No dia em que descobri que estava grávida fiquei muito feliz. 
Já andávamos a tentar a alguns meses e por isso estava muito ansiosa. 
No inicio de Março de 2017 tive os primeiros sintomas
(cansaço, dores no fundo da barriga, dores de cabeça) e fiquei desconfiada. Comprei dois testes de gravidez os quais fiz sozinha. 
Chorei de felicidade quando deu positivo. Tive vontade de contar a toda a gente, mas consegui aguentar e guardei para fazer surpresa no dia de aniversário do meu marido, 20 de Março. Consegui esconder de todos durante 4 semanas, inclusive do pai. Foi uma surpresa linda.

Que receios tinhas no decorrer da gravidez?




- Quanto aos receios que tive durante a gravidez, penso que são os comuns a todas as grávidas. 
O medo que aconteça alguma coisa ou de estar a fazer alguma coisa errada que possa fazer mal ao bebé é uma constante. Receio do parto e até do pós parto. 
Mas felizmente tive uma gravidez muito saudável, tranquila e feliz. 
Foram 40 semanas de muita intensidade, vividas ao pormenor, de modo a aproveitar cada segundo.


Os enjoos e os desejos de grávida afectaram-te?
- Desejos não cheguei a ter. Quanto aos enjoos, tiveram inicio no segundo mês e duraram até ao terceiro. Apenas apareciam de manhã durante o pequeno almoço. 
Não podia comer nada que ia tudo para fora, mas depois ficava bem. E acabaram por passar.



Quando tomaste noção que o dia estava a chegar, o que sentiste? Medo, ansiedade?
- Depois de completar as 36 semanas de gestação, comecei a ficar ansiosa. Podia ser a qualquer momento e como é óbvio comecei a ter medo do que poderia acontecer durante o parto. Imaginava como seria. Se iria ter contrações, se ia doer muito, se ia ser rápido... No fundo se iria ser capaz de aguentar o parto.

 Como correu o parto?
- O parto felizmente correu muito bem. Teve de ser cesariana porque a pequena Leonor posicionou-se de tal forma que não conseguia nascer sozinha. 
Era minha vontade e convicção que o parto fosse normal. Contudo no dia anterior ao parto, durante a consulta com o meu obstetra, ficou claro que não valia a pena esperar mais. 
Por isso a Leonor nasceu no dia previsto para o parto, mesmo nas 40 semanas de gestação. 
No dia do parto, embora estivesse bastante calma, encontrava-me ansiosa para conhecer a minha bebé. 
O papá esteve  presente, acompanhando e apoiando-me, aliás, como sempre fez ao longo de toda a gravidez. Foi um apoio fundamental!
A equipa médica foi igualmente excepcional.
Apesar de ser cesariana senti praticamente tudo. É um facto que não senti dor porque me foi administrada a epidural. Contudo senti o corte e quando a puxaram. Ainda consegui espreitar um bocadinho. 
Adorei quando colocaram aquele serzinho junto a mim. Ouvir o primeiro chorinho dela foi maravilhoso. Mal sabia chorar. É um momento único que nunca vou esquecer. 
Ela nasceu bem. Uma gorduchinha de 3,820gr e 50,5cm por volta das 15h45m.

Conseguiste amamentar? Como correu?



- A amamentação está a correr bem. No inicio custou, pois foi bastante dolorosa a descida do leite. Mas com força de vontade e muito amor consegui aguentar a dor e não desisti. 
Hoje adoro amamentar. São momentos só nossos. É um amor de mãe para filha incomparável. Consegui proporcionar à minha filha a amamentação exclusiva até aos 5 meses. 
Muito embora continue a mamar já introduzi as papas, sopas e frutas. 
O leite materno vai estar presente na alimentação da Leonor até ela não querer mais ou eu deixar de o ter.

Tencionas voltar a repetir esta experiência?
- Sim, um dia tenciono voltar a repetir esta linda experiência. Quero voltar a engravidar. 
Sempre esteve nos meus planos ter pelo menos dois filhos.




Acreditas que o ser mãe, é algo intuitivo, que nasce connosco?
- Sim. Há mulheres que nascem para ser mães e outras não. 
Para ser mãe é preciso ser muito paciente, compreensiva, responsável e saber que tens de abdicar de certas coisas para te dedicares de corpo e alma a um pequeno ser. 
Acima de tudo é necessário ter muito amor para dar. Acredito que muitas mulheres não foram feitas para experimentarem esta fase na vida delas. 
Categoricamente, afirmo que muitas nunca deveriam ser mães. 
E depois existem aquelas mulheres que nascem com a tal intuição ou dom de ser mãe. 
No meu caso, com as minhas imperfeições, nasci seguramente para o ser. 
Se pudesse seria mãe a tempo inteiro pois é a melhor profissão do mundo!
Todas as opções que faço, corretas ou erradas, são sempre a pensar no bem estar da Leonor. 
Estou certa que ainda tenho muito a aprender.
Amo incondicionalmente a minha filha e farei tudo o que estiver ao meu alcance para que seja feliz!



Espero que gostem tanto das palavras como eu gostei! 
Parabéns Joaninha e Ricardo! Parabéns Leonor pelos papás fantásticos que tens!!
Iremos sempre estar ao vosso lado sempre que precisarem de nós!
As fotos foram facultadas atenciosamente pela Joana.

Beijinhos e abraços a quem nos lê!
Sandra C.

2 comentários:

  1. Que entrevista encantadora! Gostei muito de conhecer a Joana e a sua experiência como mãe, nota-se nas suas palavras o quanto a Leonor a completa :)
    Que sejam muito felizes

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Bela entrevista!
    Obrigafo Sandra pelas tuas simpáticas palavras.
    Ass: Ricardo Silva (Pai da Leonor e marido da Joaninha)
    Beijinho

    ResponderEliminar

Pode comentar... o Bluestrass não morde!