quarta-feira, novembro 01, 2017

Halloween VS Dia de todos os Santos


As festividades do Halloween nunca tiveram qualquer significado para mim, só à cerca de dois ou três anos é que passei a dar alguma importância ao dia, apenas e só por causa dos miúdos.
Costumo fazer um jantar um pouco diferente, coloco um mini-caldeirão na entrada da porta com doces e umas teias de aranha e pouco mais que isso...

Onde trabalho esse espírito está bastante presente e muitos são os que se mascaram a rigor.
Eu vou apenas com um pouco de maquilhagem mais marcante, uma roupa mais escura e uma capa que era de uma outra máscara e que decorei de acordo com o tema... mas na realidade este dia tal como o carnaval, não me dizem absolutamente nada...

Tudo quando meta esqueletos, fantasmas, vampiros e coisas "to creepy" me deixam 😝...

Quanto ao Dia de Todos os Santos, o que dizer?
É bonito, é uma tradição nossa já com muitos anos, muitos não se lembram mas também foi neste dia que morreram muitas e muitas pessoas no terramoto de 1755.

Já vivi este dia de várias maneiras, quando era mais nova, ansiávamos sempre por este feriado, pois sabíamos que era sinal que iríamos estar alguns dias fora de Lisboa, em grande animação, umas vezes com família, outras apenas os meus pais e eu. No próprio dia íamos juntar-nos a outras pessoas da aldeia, para fazer uma coisa muito bonita, que era a partilha dos frutos secos (nozes, amêndoas, figos, uvas), das broas dos Santos e do vinho novo.
Era um dia único, junto de pessoas muito queridas, muitas já não se encontram entre nós.
Espero que esta tradição não se tenha perdido...
Nestes dias também gostava logo pela manhãzinha ir pelas fazendas fora, sentir o frio que já se fazia notar... sentar-me junto a uma árvore escondida à espera que visse aparecer um coelho ou um tordo... eram momentos únicos!
Também passou a ser uma tradição fazer as primeiras filhoses de abóbora do ano neste primeiro dia de Novembro, isto porque um dia eu e os meus primos resolvemos trazer uma abóbora para casa (fomos à xinxada) e como ninguém sabia o que fazer com a dita, a minha mãe deu a ideia de fazer filhoses de abóbora...

Faz poucos anos (antes do Vi entrar para o primeiro ciclo) este dia era passado na zona de Fafe junto à família do meu marido, tirávamos sempre uma semana de férias para descansar.
Nesse dia, uma das partes mais importantes do dia era a altura em as várias famílias se juntam no cemitério, onde assistimos a uma cerimónia em louvor à memoria de quem já partiu.
Depois disso juntamo-nos todos e convivemos, falamos do presente, do passado, comemos castanhas, rojões, entre outros pitéus que possam aparecer na mesa.

A minha preferência entre um dia e outro, você já deve ter adivinhado qual é...
Este dia também tem coisas que não gosto, mas isso fica para outras núpcias...

E vocês como vivem cada um destes dias?

Cumprimentos
Sandra C.






Sem comentários:

Enviar um comentário

Pode comentar... o Bluestrass não morde!