quinta-feira, setembro 15, 2011

Sugestões para o fim-de-semana

Olá, já lá vai uns tempos que não colocava aqui, nada sobre as sugestões para o fim-de-semana.
Na altura que o fazia, pesquisava nos jornais gratuitos, agendas culturais, etc... neste momento como devem imaginar o tempo não é muito, mas deixo-vos algumas sugestões.

Lisboa:
- Uma visita à renovada Estufa Fria, estive lá ontem pela hora de almoço e aquilo é um verdadeiro deleite para a vista. Tudo muito bem arranjado, ainda se vê por lá trabalhadores a arranjar os jardins e ainda existem locais aos quais não temos acesso. Mas vale muito a pena a visita, mais a mais porque é gratuito até ao final de Setembro.

- Belém e os seus jardins, outro local de eleição, para levar os miúdos, levar o lanche e uma manta e aproveitar os últimos dias de verão.

- Feira Setecentista no Palácio de Queluz entre sexta e domingo, lá vão poder encontrar as antigas profissões que já quase não se vêem como o : Barbeiro, Alfaiate e o Ferreiro, entre outras
Vão poder ver entre outras coisas (e também participar) em jogos tradicionais e setecentistas

De um modo geral, aproveite para sair, aproveitar todos os raios de sol, todos os cantinhos escondidos que a sua cidade, vila possa esconder, muitas vezes temos mesmo à nossa frente coisas tão bonitas que desconhecemos...
E apesar de ainda ser quinta-feira, um bom-fim-de-semana!!!

Sandra C.

domingo, setembro 11, 2011

10 anos depois... um pesadelo sem fim à vista!

Image in http://www.techenet.com/


11 de Setembro... o dia em que o mundo parou e mudou. Por mais que se viva para a nossa vida, é impossivel que alguém não tenha parado um momento que seja e tenha sido tocado pelo horror daquelas imagens.

Ainda hoje, ao olhar para os aviões a chocar contra as torres eu pergunto-me se aquilo é real, ou se não estarei a ver um daqueles filmes de terror, em que existem máquinas capaz de manipular imagens e tudo não passou de um sonho. Infelizmente, a realidade é nua e crua, os jornais são invadidos dez anos depois com as mesmas imagens, outras declarações, umas já ouvidas antes, outras ouvem-se pela prmeira vez agora.

Os heróis de sempre, os heróis do nada, quantos foram aqueles que ficaram por entre o pó, por entre os destroços da humilhação da América. Quantos foram os incógnitos, de quem nunca falou, que nunca chegaram a aparecer, quantas seram as familias dilaceradas em nome de um Deus que tenho sérias dúvidas que tivesse querido uma mortandade destas...

Só a perversidade dos homens podem levar a cometer tais loucuras.

É triste, é feio, é horripilante, é um sem palavras para conseguir descrever o indescritível.