sábado, setembro 30, 2006

Sugestões para o fim-de-semana

















Com a chegada do mês de Outubro, as propostas culturais multiplicam-se por toda a parte, ele são feiras do livro, mostras de artesanato, mostras de Teatro, enfim falta de sugestões é o que não existe, ás vezes não há é tempo para ver tudo.
A semana passada ainda cheguei a passar na Rua da Conceição mas depois de ter visto a fila que nunca mais acabava de pessoas para ver as Galerias, desisti... fomos ver o Fogo de artifício dos E.U.A e o resultado é este. Hoje extra concurso apresenta-se Portugal.
As minhas sugestões desta semana vão para:

Livros no Chiado
Na Rua do Anchieta, pode adquirir livros a preços reduzidos, com descontos de cerca de 60% (quem sabe se não é uma boa ideia para o Natal).
Esta é uma feira diferente também pela componente cultural que apresenta e também porque está aberta á noite (assim o tempo ajude).

Mercado Mix – Cascais
Nesta iniciativa pode se observar o que se faz de novo um pouco em todas as artes plásticas, bijutaria, roupas, artigos para a casa, mas sempre com um ar moderno e arrojado.
Pode também participar em alguns Workshops de Tecelagem em papel e de Sushi de Fusão (o que quer que isto seja está reservado aos “Bem” da classe VIP).

Chá Dançante
Imagem in: http://www.insidelisbon.com

Esta proposta achei curiosa, então no próximo domingo a marca Tetley (dai ser um chá dançante) apresenta na Nave da Estufa Fria em Lisboa pelas 15 horas este evento e têm como convidados centenas de idosos que vem recordar velhos tempos e dois convidados especiais, Ruy de Carvalho e Simone de Oliveira.
E então que tal um pézinho de dança acompanhado de um cházinho?

Teatro
Imagem in: http://sic.sapo.pt/online

“ 2 Amores” – Esta é uma comédia que faz lembrar as velhas comédias á portuguesa.
É então a história de João, taxista de profissão que era muito feliz nos seus 2??? casamentos com Maria e Ana, até ao dia que por praticar uma boa acção vê a sua boa vida dupla acabar quase em tragédia pela intromissão de dois vizinhos.
Com : António Feio, António Machado, Cláudia Cadima,
João Didelet, Joaquim Guerreiro, José Pedro Gomes,
Martinho Silva, Maria Henrique.
No Teatro Villaret - Av. Fontes Pereira de Melo, 30-A, em Lisboa
A partir de 19-09-2006
Terça a sábado às 21h30
Domingo às 16h30

Livros

Imagem in: http://www.vivebem.com/
Com o tempo que está até apetece ficar em casa a ler um bom livro.
Aconselho vivamente o livro “Enquanto Salazar dormia...” de Domingos Amaral.
Um livro que conta as “memórias de um espião numa cidade cheia de luz e sombras”.
Com alguns factos reais, tal como alguns personagens, é uma história verdadeiramente emocionante, ao lê-lo têm-se a sensação de que se passa para o lado de lá do livro.

Bom fim-de-semana.

sexta-feira, setembro 29, 2006

Teatro – O Palco de muitas vidas...

O Teatro, essa palavra que faz pular o meu ego, é parte integrante da minha vida há alguns anos. Acho que nem sei bem quando é comecei e o porquê de ter começado. Sei que a primeira coisa que fiz foi uma tentativa de um quadro de Revista já feita pela Marina Mota e penso que também pela saudosa Ivone Silva “Eu abro saco, tiro a mala, fecho o saco, abro a mala, tiro a carteira, fecho a mala, etc...)
Dai a ter os pés assentes nas tábuas do palco, foi um piscar de olhos. No ano seguinte estreamo-nos (eu, a Catarina e a Gui) com a peça “O Atiçar do Lume” de Joaquim Murale. Para quem não conhece, esta peça retrata a história de Catarina Eufémia, é uma peça de cariz dramático, onde é retratado um Alentejo pobre, oprimido, então toda essa carga dramática recaiu em cima de nós actores e ainda mais, em cima de quem não tinha qualquer experiência de palco.
O resultado foi, que assim que entrávamos em cena, os nervos eram tais que nós só chorávamos. Louvo aqui a coragem da Catarina, que do alto dos seus 15 anos, na última cena aparecia enforcada e nem um cabelo mexeu durante cerca de 10 minutos. No dia da estreia com a casa a abarrotar, ouve quem no público se sentisse mal. Nunca me hei-de esquecer.
No ano seguinte o Grupo enveredou pelos caminhos da Revista á Portuguesa. Hoje quem me conhece sabe qual a minha opinião em relação a essa vertente Teatral (não tenciono repetir muitas mais vezes a experiência, pois não tenho vertente cómica suficiente para achar que consigo fazer rir o público).
Fiz de vélhinha caquéctica, raquítica e muito codrilheira, fiz de Top Model, de lavadeira e de bêbeda (com vinho a sério, misturado com café, onde bebia e babava-me toda, as pessoas achavam um piadão e eu perguntava-me porque é que as pessoas só se riem do mal dos outros?)

Ano seguinte, mais uma Revista (e eu a pensar cá para comigo, mas esta gente não sabe fazer mais nada??). Bem, fiz de Tia (qual Lili Caneças), fiz de mulher traída e que dava porrada no marido, mais uma vez fiz de velha (mas esta gostei de fazer!) e fiz de Madonna estrábica (Nossa Senhora???!!!), foi o fim da picada, não aguentei mais e sai do Grupo.
Entretanto soube de audições para um Grupo de Teatro em Lisboa e fui lá, passei, fiquei e então sem saber estava a caminhar para a época em que mais gostei de fazer Teatro.
Aprendi muito, devo isso a uma pessoa que considero um visionário desta arte, Miguel Mestre.
Na peça “Romeu e Julieta” fiz de Beata Alzira (com uma acentuada pronúncia do norte) e tive como minha companheira a fantástica Marina (no papel de Zulmira) que num dos espectáculos resolveu sentar-se precisamente no colo do meu pai, eu ia morrendo de tanto rir com a cara do meu pai, tipo GNR mal humorado (se ele tivesse um buraco, tinha-se lá enfiado até o fim da peça....).

Uma das peças que mais me marcou, foi a “Simbiose”, fazia de Tia e tutora de duas irmãs, uma representava o mal, a outra o bem.
A peça era de tal forma forte e emotiva que conseguia mexer com os nossos sentimentos, então num dos últimos espectáculos, depois da cena em que eu tinha que bater (a sério) numa das sobrinhas e ela em mim (na altura era uma pessoa algo chegada a mim) acho que entrei em pânico e comecei a deixar de sentir a cara, as mãos, os braços (ainda me lembro: “Tu Margaret, tu mentistes-me, tu tentaste virar-me contra a tua irmã. PORQUÊ??”).
Mas o Teatro é isto, muitas vezes, é levar as situações a extremos, arriscar, provocar o público, criar expectativas e surpreender sempre, isto foi uma das muitas coisas que aprendi com o Miguel e que hoje tento passar a quem está comigo no Grupo de Teatro do G.B. 22 de Maio.
A seguir á “Simbiose”, fizemos algo de arrojado, o “Memory”, um espectáculo que apesar de ser em Playback, cantávamos (eu pelo menos cantava, mea culpa) o espectáculo todo, dançávamos imenso e exigiu muito de nós, na altura cheguei a pesar 59 Kgs.
Fui Edith Piaf, uma das gatas do Cats, fui a Rizzo do Grease, fui umas das “loucas” que frequentava o Estudio 69, entre outras personagens. Foi o boom que nunca esperei que acontecesse na minha passagem por esta arte.
Na passagem por este Grupo, ganhei algumas amizades, que entretanto se foram perdendo mas que eu não esqueço: A Sónia (a única com quem ainda mantenho contacto e a quem considero uma amiga), a Xana (as nossas conversas até á 01.00 da manhã no meu carro), a Vanessa (como é que uma coisa tão pequenina têm tanta energia?), a Marlene Amaral (e todo o seu exotismo), o James (e o seu Humor Inglês fantástico), o Cordeiro (e a sua insanidade positiva), a Marta (e a sua calma), a osga (que olhava por nós nos ensaios, lá de cima do tecto) e também o Miguel (obrigado por tudo o que me ensinaste) e não podia deixar de referir aqui o meu Solrak, que foi ver quase todos os espectáculos e grande parte dos ensaios (és a minha grande força, obrigado, mil vezes obrigado!!).
Bem como tudo na vida, nada que é bom, é eterno, sai e ai comecei a minha luta interior contra sentimentos que nuca esperei vir a sentir enquanto actriz amadora, decepção, revolta, cheguei quase a odiar a palavra Teatro. Numa desesperada atitude, inscrevi-me num “curso” de Teatro, não cheguei a meio desse “curso”, porque para mim fazer Teatro não é estar numa sala escura repleta de adolescentes, a pensar que vão ser vedetas de novelas quando acabarem o “curso” (??Qual “curso”??), e a “monitora”??? a dizer-te com uma voz intimista: “Agora imaginem que
estão no meio de uma floresta...estão sozinhos...começaram a ouvir barulho...é um lobo...sentem-se indefesos...o que fazem? Gritem! GRITEM! GRITEEEEM! “ Desculpem, será que estive enfiada num manicómio e não dei conta de nada?
Fiz um interregno, tal como quando se acaba uma relação, tive de fazer o meu luto, estive afastada durante 2 anos, mas nunca o esqueci, pelo meio dediquei-me á escrita, escrevi “As cores de Abril”, uma peça musical que conta a história de Portugal entre 1961 e 1974 e escrevi uma outra que não têm titulo mas podia-se perfeitamente chamar “O segredo”, que conta a história de uma família inglesa que esconde muitos segredos e que são desvendados através de sonhos e aparições, num conflito entre o presente e o passado.
Estas peças nunca foram para cena, apenas um pormenor de uma foi feito em Abril deste ano, na minha volta ao palco do G.B. 22 de Maio.
Em Janeiro deste ano surgiu a oportunidade de voltar a unir este Grupo, engoli o meu orgulho e com um grande nó no estômago voltei a entrar naquela colectividade, nunca esperei ter coragem para tal, admito sou casmurra, mas tenho a sensação que ás vezes é o melhor a fazer. Mas isso são outros tantos...
Agora somos 8 actores, 4 deles nunca pisaram o palco, mas louvo a sua capacidade de esforço e de integração. Entrei como um deles, sou como um deles, mas cedo me apercebi que me tinham passado uma batata a escaldar para as mãos, para a qual ainda não sei ao certo se terei capacidade para suportar.
Sinto-me cansada, sinto-me muitas vezes injustiçada, porque todo o trabalho que estamos a fazer não é para nós, é para o público, para os associados, para os chamar de novo ao que em tempos foi uma casa cheia de gente, o que é pena é que muitas vezes não entendam onde nós queremos chegar. Eu costumo dizer que: “Se nós já somos pequeninos, porque não havemos de ter o direito de sonhar com algo maior?”
Deus é grande, a força de vontade de quem lá está também, logo, em breve apresentaremos os resultados de sermos muitas vezes exigentes e intransigentes.
Hoje, dia 29 de Setembro, dia que o Grupo de Teatro do G.B. 22 de Maio de 1925 faz 77 anos, a Sandra, a Gui, a Cláudia, a Carina, a Rafa, o Rui, o Jorge e o Rogério querem dar os parabéns ao Grupo e informar que parte da prenda deste aniversário encontra-se aqui
http://gb22maioteatro.blog.pt/, a outra parte da prenda, encontra-se atrasada e será então entregue no dia 04 de Novembro pelo Grupo de Teatro Incrível Almadense, com o início da nossa I Mostra de Teatro.
Tenho dito.

P.S.- Algumas fotos que aqui apresento são de espectáculos que nada tem a ver com peças de Teatro.

quinta-feira, setembro 28, 2006

Deixem-me lá ser saudosista....

Sim, deixem-me lá ser saudosista, porque eu admito sou e muito!
Adoro quando por acaso tenho de mexer em coisas antigas (vocês nem imaginam o que eu tenho de coisas antigas guardadas), quando mexo nos livros da escola (Preparatória e Secundária, porque os da primária já eram...), quando vou descobrir testes, redacções, trabalhos de grupo e individuais, postais de aniversário, cartas, ai as cartas que eu trocava com um grupo de amigas que ainda hoje tenho guardadas (envelopes minúsculos, com cartas de letras mais minúsculas ainda, escritas com canetas de cheiro), mas calma vamos por partes...
Eu nasci em Dezembro de 1974, a famosa geração do “25 de Abril Sempre!” e “Vitória, Vitória!!” então deixem-me lá começar a recordar:


Animais de estimação:
- O Piruças (um cãzinho castanho claro que eu tive, que adorava lambuzar-me e rebolar no chão comigo devia eu ter quatro anos. Punha-se á janela e quando ouvia a mota do meu pai desatava a ladrar até ele chegar a casa, morreu numa véspera de Natal, fiquei desconsolada)
- Tive um grilo e um dia a boa da Sandra achou que o bichinho estava com a casa suja e resolvi dar-lhe banho (“Oh mãe, oh mãe o grilinho não se mexe...” Burra!!!)
- Os peixes (Guppies, é assim que se escreve?) que os meus pais tinham e as noites perdidas a tirar os peixinhos que nasciam para as maternidades ( eles eram ás dezenas...)
- A Faísca (Uma perdigueira que era a companheira do meu pai, nos domingos de caça. O que eu adorava aquela cadela, morreu de esgana, nunca tive muita sorte com os animais)
- O Tareco que eu tive de presente quando passei a 4ª classe. Muitas corridas ele fazia comigo...

Escola:
- No 1º dia de escola a professora perguntar-me o meu nome e eu, para além do meu nome acrescentei mais dois (os nomes de solteiro do meu pai), a professora teve de chamar os meus pais porque não tinha sido inscrita com aqueles nomes. (Devia ter a mania das grandezas, lolol)
- Tínhamos de levar um copo da Tuppaware, com chocolate para no intervalo nos darem o leite (ainda não havia os pacotes, eu fazia com cada careta, leite quente e ainda por cima com chocolate, quantas vezes vinha tudo fora).
- A 1ª vez que picotei um desenho, picotei-o tanto que piquei-me e estraguei o desenho,
odiava aquilo...
- Quando entrei para a escola parecia um rapaz, porque tinha o cabelo muito fino e uma vizinha cortava-me o cabelo á rapaz. Odiava, chorava baba e ranho, mais a mais as meninas tinham todas o cabelo grande, eu também queria!!!!
- Quando saiamos da escola fazíamos um comboio (fila indiana) e vínhamos para casa assim. (Grande panca...)
- Na 1ª classe tive de ser operada á garganta, então aprendi a ler muito tarde, a professora ensinou-me a ler nuns livros de histórias de papel recortado.
- O Vestido de fazenda azul petróleo que picava como tudo, mas que eu adorava e usei-o até as mangas me darem pelo meio do braço (masoquista a miúda...)
- A Macaca (pelo menos eu dizia que sim) que me deram tinha eu 6 anos e que fiz questão de tirar fotos na escola com ela (ainda a tenho).
- Os piqueniques da escola á serra dos moinhos no dia da espiga e no dia de S. Martinho.
- As canções de Natal que cantávamos todos desafinados “Olhei para o céu, estava estrelado...”

Natal:
- A árvore de Natal que fazíamos nas traseiras dos prédios onde brincávamos, só com um pé de pinheiro algodão e fitas de prendas...
- O comboio eléctrico do meu irmão, (que os meus pais conseguiram através dos pontos do leite em pó??) que o meu pai montava todos os anos no Natal. Era mágico... Será que ainda funciona???
- O esqueleto que deram de prenda ao meu irmão e que ele pôs no Hall de entrad
a e que eu me “borrava” de medo sempre que lá tinha de passar á noite!
- Fantasias de Natal : O meu irmão uma vez comeu os chocolates e deixou as pratas embrulhadas como se estivesse lá tudo. Eu não tocava em nada, achava tudo muito bonito, bonito de mais para comer (eu não como doces desde pequena), ficavam tão bem na árvore.
- As Festas de Natal da fábrica do meu pai eram lindas, uma vez foi lá o Donaltim e perguntava-me como é que ele falava se era um boneco???
- O Natal dos Hospitais, nessa tarde ninguém me apanhava na rua, de manhã fazia questão de ir sozinha para a serra apanhar o musgo para o presépio e de tarde enquanto via o programa montava o presépio. Bons tempos...
- Na véspera de Natal ajudava a minha mãe a fazer os doces.
À noite depois do jantar comíamos as filhoses (as minhas sem açúcar) com café com leite. (ainda hoje faço isso)
- Um Natal a minha mãe estava com uma gripe que nem da cama se levantava, o meu pai estava a trabalhar e o meu irmão também e eu resolvi armar-me em dona de casa, fiz uma lista de compras, levei a carteira da minha mãe e comprei as couves, as batatas, as prendas para todos, fiz os doces sozinha e eu tinha para ai 7 ou 8 anos (Ganda maluca...)
- Na véspera de Natal à uma da manhã a depenar o galo para assar no dia a seguir (que cheiro nojento...uhgggg)
- As dores de barriga que eu apanhava por causa das avelãs, amêndoas, pinhões e Cps Ldas.
- A máquina de costura de plástico que me deram e que fazia barulho (rrrrrrrrriiiiii) e o ferro de engomar eléctrico (aquecia um bocadinho)
- O meu primeiro vinil foi o meu irmão que me deu, dos Ministars ( com uma versão da musica "J´aime la vie" em português “Eu vou viajar”, ainda hoje oiço o disco.

Brincadeiras:

- Quando estava sozinha adorava pôr-me em frente ao espelho do bar da sala a cantar (ou a tentar...) a Maria Armanda, o João Pedro (Atchim, Atchim), o Pedro Couceiro a Ana Faria e os Queijinhos Frescos.
- O pessoal juntava-se nas traseiras dos prédios a brincar ao Dartacão (via - se a série e depois vínhamos para a rua fazer o que tínhamos visto)
- Ver o Verão Azul (eu quase que nem almoçava para ver)
- Ver o Tom Sawyer (o rapazito parecia um cadito apanhado)
- Brincar aos clubes (influenciado pelos livros dos cinco)
- Brincar com os Carecas, as Tuxas, as Nancy´s e as loiçinhas...
- Brincar ás Escolas (esta era uma brincadeira mas aprendia-se a sério) e aos Hospitais.
- Brincar ao Elástico e á Corda (também brincava á apanhada, mas nunca achei muita piada)

Existe mais recordações, mas o texto já está muito extenso.
Agora o porquê deste post? Porque há uns fins-de-semana atrás a falar com umas pessoas amigas descobri um site que fez saltar estas memórias lá do fundo da minha arca de recordações, nesse site voltei a ouvir e a ver anúncios, séries, filmes e muitas outras coisas.
Se gostam de recordar coisas que vos marcaram de alguma forma a vossa infância e adolescência não deixem de visitar o site
http://misteriojuvenil.com/ .
Embarquem na viagem aos tempos da inocência....

quarta-feira, setembro 27, 2006

Por entre tachos e panelas

Esta semana, já a pensar um pouco no tempo que ai vem e por consequência a apetência para comidas mais fortes, deixo-vos três receitas como os antigos chamam de “sustância”.

Sopa de Favas

Ingredientes:
- 6 Batatas médias a grandes
- Favas Q.B.
- 1 pedaço de abóbora
- 2 Cenouras
- 1 Cebola média (Facultativo)
- 1 Dente de Alho médio (Facultativo)
- Azeite (Facultativo)
- Sal (Q.B)
- Raminho de Coentros (Facultativo)

Preparação:
Numa panela ponha a cozer as batatas, a abóbora, as cenouras, o alho e a cebola, temperada com um pouco de sal (é preferível por pouco e depois rectificar).
Numa outra panela ponha a cozer as favas também com um pouco de sal. Deixe cozer tudo, quando as favas estiverem cozidas, escorre-as, retira-lhes a pele e adiciona as mesmas á panela onde estão os outros ingredientes.
Depois tritura tudo, leva de novo ao lume, rectifica os temperos e quando levantar fervura deita um fio de azeite e pica os coentros para perfumar a sopa.
Bom apetite.


Costeletas á moda da D. Lurdes

Ingredientes:
- 6 Costeletas de Porco do fundo (porque não são tão secas)
- Alhos
- Sal
- Louro (facultativo)
- Mostarda Q.B.
- Vinho Branco ou Cerveja
- Molho de Tomate
- Margarina

Preparação:
Tempera-se as costeletas como habitual, com sal, alhos, louro, um pouco de vinho branco ou cerveja e depois barra-se cada uma com um pouco de mostarda.
Numa frigideira (de preferência anti-aderente), coloca-se a margarina a derreter, depois os alhos do tempero das costeletas, deixa-se fritar um pouco e retiram-se para fora.
Frita-se as costeletas, no fim faz-se um molho com vinho branco ou cerveja, molho de tomate e um pouco de mostarda, coloca-se este molho na frigideira a engrossar um pouco e por fim coloca-se as costeletas.
Deve ser servido com arroz branco e salada.
Bom apetite.


Bolo Brigadeiro
(Esta receita foi retirada da revista "Receitas e Delícias de Chocolate"

Ingredientes:
Massa do Bolo:
- 6 Ovos
- 6 Colheres de Açúcar
- 2 Colheres de sopa de Margarina
- 6 Colheres de sopa de Chocolate em Pó
- 100 gr. de Coco Ralado
- 1 Colher de chá de Fermento em Pó

Cobertura:
- 1 Lata de Leite Condensado
- 2 Colheres de sopa de Chocolate em Pó
- 1 Colher de sopa de Margarina
- 1 Chávena de chá de Chocolate Granulado

Preparação:
Numa tigela bata as gemas com o açúcar e a margarina.
De seguida acrescente o chocolate, o coco e o fermento.
Por último misture as claras batidas em castelo.
Unte com margarina e polvilhe com farinha uma forma de bolos sem buraco, coloque a massa e leve ao forno previamente aquecido.
Este bolo coze rápido, esteja atenta e vá experimentando com um palito até que saia seco.
Enquanto o bolo coze, prepare a cobertura, leve ao lume num tacho o leite condensado, o chocolate em pó e a margarina.
Retire do lume quando o preparado ficar com um aspecto de mousse de chocolate.
Retire o bolo do forno, deixe arrefecer um pouco.
Como a cobertura normalmente é muita, abra o bolo ao meio e recheie-o. Volte a montar o bolo, depois é só cobrir com a restante cobertura e salpicar com o chocolate granulado.
Bom apetite.

terça-feira, setembro 26, 2006

Bluestrass by Christmas

Já podem ir espreitar o meu Bluestrass by Christmas, já tem algumas novidades...
Espero que gostem.

Crónicas da vida de um gato

Olá Gatos, venho esta semana manifestar o meu descontentamento com a meteorologia!
Anda tudo de candeias ás avessas? Então no fim-de-semana eu já me estava a preparar para mais um Outono, até já dormi enroscado no colo do Carlos e da Sandra, com a cabeça apoiada no portátil, porque até estava com frio... e agora vem outra vez o calor?? Decidam-se lá de uma vez, não tenho muita paciência para estes trocadilhos.

À conta da má disposição vejam lá como é que eu fiquei...
De qualquer maneira aqui fica umas imagens divertidas de uns amigos que gostam de se divertir, alguns deles parece que andaram a comer alguma coisa que não deviam ou então a musica é muito má.
Arranhadelas e miaus para todos.
Para a semana exijo frio e chuva, tou farto do calor, se não faço um abaixo assinado de gatos.

Imagens in b3ta.hnldesingn.nl
Image Hosted by ImageShack.us Image Hosted by ImageShack.us Image Hosted by ImageShack.us

segunda-feira, setembro 25, 2006

Procissão da Nossa Senhora da Luz

Domingo, dia 25 de Setembro saiu á rua mais uma vez a procissão da Nossa Senhora da Luz.
Esta é uma manifestação de fé, como existe muitas outras pelo nosso país fora, no entanto esta festa para mim têm um significado especial.

Sou crente na Nossa Senhora da Luz assim como sou de Nossa Senhora de Fátima por motivos pessoais,
Desde há cinco anos que vou a esta procissão e não existe muitas palavras para conseguir descrever o que sinto quando percorro as ruas de Carnide em conjunto com a multidão, o cheiro a velas e a fé, muita fé...
Quando a Senhora sai da Igreja é impossível tirar os olhos da sua imagem, existe uma força mas ao mesmo tempo uma paz que me invade e que só é superada quando se ouve a voz inconfundível do Frei Abertino a cantar “Avé Maria”.
Esta foi uma tarde diferente, assim que a Senhora saiu da Igreja, a chuva que vinha a ameaçar desde o início da manhã, resolveu brindar-nos com a sua presença, então o que costuma ser um “suplício” de calor, no domingo pelo contrário foi uma cerimónia bem molhada e também abençoada. Ainda tentamos não abrir os chapéus, mas era de todo impossível perante a insistência da chuva.
Foi uma cerimónia mais rápida do que o habitual, a imagem da Senhora da Luz teve que ser retirada do andor e o seu altar foi substituído pelos braços de um Bombeiro da Corporação da Pontinha.
O caminho da Senhora era iluminado por muitas velas acesas em auxílio de promessas, pedidos e homenagens. Os pés descalços de algumas senhoras, são a prova de como a fé faz mover as pessoas (apesar de eu achar que a fé pode ser demonstrada de muitas outras formas).
Voltamos de novo á Estrada da Luz, aproximamo-nos dos aposentos da Senhora e de toda a parafernália de farturas, cestas e mil e um artigos que se encontram na feira á disposição do consumismo.
Já nos esperam centenas de pessoas que tentam ver de mais perto a imagem e fazer-lhe seus votos e orações em silêncio.
A imagem costuma dar a volta á feira para abençoar os feirantes mas penso que o mau tempo que se fazia sentir não o permitiu.
As últimas homenagens são prestadas pela Corporação de Bombeiros da Pontinha e pela Filarmónica de Caneças e a Senhora da Luz volta a entrar para a sua casa, muita gente se dirige para dentro da Igreja para adorar a Senhora.
Este ano sei que não participei nesta celebração como habitual, pois queria realmente tirar algumas fotos para poder juntar a este post.
Penso que serei perdoada, uma vez que também assim demonstro a fé que faço na Nossa Senhora da Luz e convido quem lê este post a visitá-la e a orar a Ela.

sexta-feira, setembro 22, 2006

Sugestões para o fim-de-semana













Fotos da semana passada - França

Esta semana trago mais umas propostas para o fim-de-semana, amanhã na continuação da 2ª Edição do Mundial de Pirotecnia, vamos ter os E.U.A.
Espero que gostem das propostas.

Galerias Romanas
Há cerca de duas semanas atrás fiz referência aqui para a abertura das Galerias Ro
manas na baixa de Lisboa, peço desculpa pelo erro uma vez que afinal as galerias abrem este fim-de-semana.
“Mais uma vez as Galerias Romanas que se encontram entre a Rua da Conceição e a Rua da Prata (estão abertas gratuitamente ao público (Será que é este ano que vamos lá?)
Aqui está uma breve descrição das Galerias:
“(...)uma construção da cidade romana de Olisipo, da época do imperador Augusto (século I a.C. - I d. C.).
As galerias constituem um criptopórtico - uma solução arquitectónica que criava, em zonas de declive e instabilidade geológica, uma plataforma de apoio a grandes construções.
Supõe-se que estas galerias estivessem ligadas à zona portuária da Lisboa Romana.(...)”
De 22 a 24 de Setembro das 10h-13h e das 14h-18h
in
http://www.lisboacultural.pt/

Teatro:
Imagens in www.teatropoliteama.net/maldita_cocaina.html
"Conversas de Camarim"
Se ainda se recorda do actor Varela Silva, porque não ir até ao Teatro Municipal São Luiz e ver um espectáculo, “numa viagem através do livro de Varela Silva.
Camarim com janela para a rua, Simone de Oliveira e Vítor de Sousa ilustram estas histórias com cantigas e poemas, num cenário de bastidores.
Uma hora onde as lágrimas se misturam com os sorrisos e as memórias nos despertam para a vida. (...)”
De 10 a 25 de Novembro.

Sextas e Sábados às 23h30
Jardim de Inverno - São Luiz Teatro Municipal
Direcção Musical e piano Nuno Feist
Projecção Vídeo Frederico Corado
Produção Fátima Bernardo, Casa das Artes, Lda.
Interpretação Simone de Oliveira e Vítor de Sousa
in
http://ecultura.sapo.pt/


Teatro Amador:
Se gosta de Teatro e têm curiosidade o que os Grupos Amadores fazem pelo país, venha ver a 1ª Festa de Teatro Amador da Malaposta
De 21 a 24 de Setembro
Mais informações em
http://www.odivelcultur.com/

Musica:

Imagem in http://mar_azul.weblogger.terra.com.br/
O musico André Sardet apresenta hoje dia 22 pelas 22,00 o seu novo album “Acústico” , nos Jardins dos Ulmeiros em Telheiras.
A entrada é gratuita.

Feira do Livro da Amadora:
Se gosta muito de livros e de os comprar, porque não ir até á Feira do livro da Amadora?
De 22 de Setembro a 8 de Outubro de 2006
Evento incluído nos festejos do 27º Aniversário da cidade de Amadora.


Um bom fim-de-semana.

quarta-feira, setembro 20, 2006

Por entre tachos e panelas

Olá a todos os que me visitam e fazem o nº de visitantes crescer de dia para dia. Muito obrigado.
Hoje deixo duas receitas, uma que faço habitualmente para desenrascar um jantar apressado e a outra é um bolo que a minha mãe faz muitas vezes e sai sempre bem...
Espero que gostem.

Pizza Diferente:

Ingredientes:
- 1 base para Pizza
- Azeite
- Esparregado Q.B.
- Queijo Mozzarella Q.B. (em fatia ou ralado)

(Para Pizza de carne)
- Fiambre
- Linguiça ou Salame de carne ou carne picada (frango assado, etc)
- Cogumelos
- Azeitonas

Preparação:
Faz-se o esparregado (pode ser feito da maneira tradicional ou em vez de leite substitua por natas e um pouco de queijo mozzarela)
Coloca-se a base da Pizza num tabuleiro de ir ao forno, previamente untado com azeite, o mesmo se faz á base da Pizza.
Em primeiro lugar coloca-se o esparregado (a fazer as vezes do molho de tomate), depois o queijo mozzarela, a seguir o fiambre, a linguiça, os cogumelos e as azeitonas e por fim um pouco mais de queijo mozzarela. Vai ao forno até o queijo derreter e a Pizza ficar com um tom douradinho.
Esta Pizza em vez de ser feita com Carne podem substituir por atum e camarão, delicias do mar ou mesmo fazer uma Pizza Vegetariana com espargos, alcachofra, milho. A partir da base da Pizza podemos inventar muitas formas diferentes de a servir...
Bom apetite.

Bolo de Batata

Ingredientes:
- 2 ou 3 Batatas
- 300 gr. de Açúcar
- 4 ovos
- Raspa de 1 limão
- 125 gr. de Farinha
- 1 Colher de chá de fermento em pó
- Margarina para untar a forma

Preparação:
Coze-se as batatas que depois se fazem em puré, junta-se o açúcar, as gemas, a raspa do limão, as claras batidas em castelo e a farinha com o fermento em pó.
Unta-se uma forma com margarina, polvilha-se com farinha e leva-se o bolo a cozer em forno médio. Experimenta-se com um palito até que ele saia seco.
Bom apetite.

terça-feira, setembro 19, 2006

Crónicas da vida de um gato


Olá Gatos, Gatas e respectivos donos, hoje trago-vos um exemplar de que um gato não vive só dentro de quatro paredes, também pode ser um bocadinho “vadio”, fazer as suas travessuras e depois voltar sempre para o seu dono, bem neste caso para a sua dona.
Apresento-vos o Tareco, vive em Tomar adora passear-se pelo meio das couves e rebolar-se na terra, no entanto adora a sua dona e mais quem lhe queira dar umas festinhas...
Não se esqueçam que o próximo fim-de-semana vai estar na Fil no Parque das Nações a PetFil - 3º Salão dos Animais de Estimação, com Exposições de gatos, cães e outros animais de companhia.
Até para a semana.

domingo, setembro 17, 2006

Esta é umas das canções que fazem parte da minha infância, da minha adolescência e que por muitos anos que viva nunca irei esquecer a sua magia, até me arrepio só de a ouvir.
Esta musica também a dedico á Gui, minha companheira de palco de sempre... as figuras que nós faziamos com a cara toda borrada...é só rir.
É o pânico como tu dizes...

Moonlight Shadow - Mike Oldfield cantada por Maggie Reilly



The last that ever she saw him
Carried away by a moonlight shadow
He passed on worried and warning
Carried away by a moonlight shadow.
Lost in a riddle that saturday night
Far away on the other side.
He was caught in the middle of a desperate fight
And she couldn't find how to push through
The trees that whisper in the evening
Carried away by a moonlight shadow
Sing a song of sorrow and grieving
Carried away by a moonlight shadow
All she saw was a silhouette of a gun
Far away on the other side.
He was shot six times by a man on the run
And she couldn't find how to push through
I stay, I prayI see you in heaven far away
I stay, I prayI see you in heaven one day
Four am in the morning
Carried away by a moonlight shadow
I watched your vision forming
Carried away by a moonlight shadow
A star was flying in the silvery night
Far away on the other side
Will you come to talk to me this night
But she couldn't find how to push through
I stay, I prayI see you in heaven far away
I stay, I prayI see you in heaven one day
Far away on the other side.
Caught in the middle of a hundred and five
The night was heavy and the air was alive
But she couldn't find how to push through
Carried away by a moonlight shadow
Carried away by a moonlight shadow
Far away on the other side.

sexta-feira, setembro 15, 2006

Sugestões para o fim-de-semana

Apesar do tempo já não convidar necessariamente a uma ida á praia, existe tantos outros sítios onde podemos ir, sem nos enfiarmos dentro de um Centro Comercial...já basta quando têm de ser....
Antes de mais quero deixar uma foto do fogo de artificio do sábado passado na Expo. Este fim-de-semana é a Alemanha.

A minha primeira sugestão vai para uma proposta que vêm divulgada no Jornal Destak do dia de ontem.

Oficina de Teatro:
Se têm filhos que demonstrem ter capacidades artísticas (neste caso teatrais), porque não dar-lhes a oportunidade de participarem numa Oficina de Teatro?
“A Academia de Santo Amaro em Alcântara, organiza, a partir de 16 de Setembro, oficinas de teatro para crianças dos 5 aos 8 anos. (...)”
Contactos: 968 382 245
Horário: Todos os sábados das 11h ao 12.30
http://www.crescerteatrando.blogspot.com/

Mostra de Gastronomia:
Se mora em Vila Franca de Xira e gosta de provar petiscos, não perca hoje a XI Mostra de Gastronomia Tradicional Sabores de Sempre, a partir das 17 horas, na Av. Pedro Victor.
Organização das Instituições de apoio a idosos da região.

Ioga:
Se é um adepto de Ioga ou têm pelo menos curiosidade em experimentar, porque não se dirigir amanhã a partir das 11 horas à Praça de Londres em Lisboa e experimentar as aulas gratuitas, esta iniciativa têm o apoio da Universidade de Yôga.

Fábrica da Pólvora:

Conhece a Fábrica da Pólvora em Barcarena? Não? Então não sabe o que perde. É um espaço muito agradável onde pode levar a família a passear, ou então ir jantar fora esta noite.
Tem jardins com bastante relva, óptimos para fazer um piquenique, tem o museu onde pode descobrir como se fazia a pólvora, pode assistir a espectáculos ao ar livre e muitas outras actividades.
Veja mais informações em
http://www.fabricadapolvora.com

Sintra
:

S. Pedro de Sintra:
Gostava de entrar na máquina do tempo e fazer uma visita á Idade Média? Então porque não dirigir-se a S. Pedro de Sintra (lá vai o IC 19 entupir) este fim-de-semana e ir espreitar o mercado medieval com malabaristas, videntes, música e...os instrumentos de tortura daquela época.

Um bom fim-de-semana a todos e divirtam-se...

quinta-feira, setembro 14, 2006

Chás – Ofereça uma chávena de amizade

Para compreender o título deste post, leiam o que o filósofo chinês Lin Yu Tang disse:

“Apreciar o chá só é possível numa atmosfera de amizade, prazer e sociabilidade. A sociabilidade é o principal elemento para permitir a apreciação do chá”.

Hoje em dia beber chá é quase uma moda. Já lá vai os tempos em que se bebia chá, para tratar dores de estômago, de cabeça e por ai em diante.
No mercado deve existir mil e um chás diferentes, no entanto nem todos são chás, são antes infusões, mas isso a seu tempo será explicado.
A história do chá revela-se na antiga China, onde supostamente foi criado por volta de 2.800 anos a. C. pelo Imperador chamado Shen Nung, considerado o Pai do Chá, pois conforme a lenda, o Imperador ao ferver água para beber, não reparou que algumas folhas tinham caído dentro do recipiente de água e, ao cheirar um aroma delicioso, arriscou a beber a água perfumada e logo a achou bastante saborosa e a partir desta novidade, começou a fazer experiências com várias folhas e assim foi o chá foi descoberto.
Inicialmente o Japão foi o responsável pela divulgação da utilização do chá, uma vez que, no país dos Samurais, o produto passou a fazer parte de rituais religiosos Zen Budista e tornou-se parte primordial da educação japonesa, exercendo papel importante como Chanoyu, ou cerimônia do chá.
O chá chegou á Europa através da sua importação pelos holandeses e portugueses no Século XVI. Mais tarde o chá veio a fazer parte da cultura de outros países como a Rússia, Alemanha, França e em toda a Europa.
A partir do Século XIX, o chá passou a fazer parte das tradições da vida inglesa, (quem não se recorda da frase “Tomar o chá das 5”?) e de um modo geral em toda a Europa.
Foram precisamente emigrantes europeus que levaram o propósito de tomar chá para a América do Norte.
Nos dias de hoje o chá é consumido em larga escala principalmente nos meses mais quentes, mas em vez de quente na versão de chá gelado.

Quando reunir amigos em casa, sirva um bom chá para que possam desfrutar na mesma hora, o prazer de partilhar a delicadeza de duas coisas tão diferentes mas ao mesmo tempo tão iguais...

Se quiser descobrir algumas receitas com chá (e também com café) procure este livro.
O nome é
"Receitas da Avó Rosalina" e é das Publicações Europa-América.

As variedades de chás mais conhecidas e vendidas são:

Chás preto:
Assam: A melhor espécie deste chá têm as pontas douradas.
As folhas pretas fazem um chá avermelhado de sabor forte. Óptimo para servir com leite.

Ceilão: Este chá é considerado um dos melhores do mundo. De
sabor encorpado e a fragrância suave.
Óptimo para servir gelado, com leite ou limão.

China Caravan: Este chá é uma mistura de chás Keemum e têm um sabor suave. Costuma ser servido com limão.

Darjeeling: Este chá é de um aroma rico e um com um ligeiro toque que faz lembrar uvas moscatel. Pode ser servido simples, ou com limão e ainda com leite.

Earl Grey: Este chá consiste numa mistura de chá Darjeeling e China, é aromatizado com óleo de bergamota. Deve ser servido ao natural (sem leite nem limão).

English Breakfast: Este chá consiste numa mistura de chás Assam e Ceilão. Tem sabor forte e é indicado para ser bebido com leite.

Formosa Oolong: Este é um dos chás mais caros do mundo (acho que nunca ouvi falar), Têm um aroma idêntico ao do pêssego. Deve ser servido ao natural.

Irish Breakfast: Este chá consiste numa mistura de chásAssam fortes. Pelo próprio nome verificamos, que deve ser servido de manhã, por causa do sabor intenso.
As variedades do Chá Verde

Gunpowder: Este talvez seja o mais chá verde mais consumido no Ocidente, o seu sabor têm um toque frutado.

Jasmim: Este chá consiste numa mistura de chá chinês verde e preto, e também flores de jasmim.


Infusões: As infusões resultam de água fervida com folhas, pétalas, sementes e raízes de várias plantas e frutos que a natureza nos dá. Estas infusões são utilizadas para acalmar e curar alguns problemas de saúde.


Infusões Medicinais:

Alcaçuz:
O Alcaçuz é uma planta que têm uma raiz adocicada, permitindo que o seu chá tenha uma acção diurética, laxante, expectorante e calmante. Também é um anti inflamatório, acalma a dor e é um poderoso anti alérgico.

Alecrim:
O Alecrim é uma erva que têm um perfume intenso e têm características medicinais muito fortes, ajuda nos problemas de hipertensão, problemas de reumatismo, esgotamento cerebral, depressões ligeiras, dores menstruais e se fizer um chá forte destas flores e folhas torna-se um excelente tónico para a pele e estimula o crescimento capilar.
Este chá deve ser feito fraco (com pequenas quantidades de flores e folhas), pois no caso de ser feito muito forte pode causar irritações gastrointestinais.

Alfafa:
A Alfafa é uma erva mais conhecida por fazer parte da alimentação de cavalos puro sangue, no entanto, é um chá medicinal que têm excelentes fontes de potássio, magnésio, cálcio e fósforo. É ainda muito rico em nutrientes, logo uma boa ajuda em casos de fadiga, cansaço e anemias.
É também indicado para problemas de artrite, reumatismo, problemas nervosos, falta de apetite e má digestão.

Alcachofra:
A Alcachofra é uma planta que já é utilizada na culinária (nos pratos vegetarianos e não só), é uma boa ajuda em problemas digestivos e no combate ao colesterol alto.

Alteia:
A infusão de Raiz de Alteia , é utilizada para bochechar e desinfectar a boca em situações de dores de dentes e abcessos.

Amora:
A Amora não é só deliciosa de se comer como também as suas folhas são utilizadas para alimentar os famosos bichos da seda. As suas folhas são utilizadas como ervas medicinais como diurético, no combate à pressão alta e também aconselhada a pessoas com a diabetes.

Arnica:
A Arnica é uma planta já utilizada na cosmética natural, no entanto medicinalmente é uma ajuda no tratamento do reumatismo e nas dores causadas por traumatismos.

Barbas de Milho:
A infusão de Barbas de Milho, é bastante eficaz em problemas das vias urinárias.

Camomila:
A Camomila é um chá muito delicado de aroma suave no entanto, é muito eficaz como anti inflamatório e dores de estômago.
É também indicada para: Espasmos, dores menstruais, febre, insónias, enxaquecas, dor de barriga e náuseas.

Carqueja:
A Carqueja é uma erva de efeito digestivo, no entanto é mais conhecida por fazer parte de produtos para emagrecimento.

Castanha da Índia:
A Castanha da Índia é muito conhecida porque ser utilizada em medicamentos no combate á má circulação, varizes e hemorróidas.

Cavalinha:
A Cavalinha é uma erva medicinal muito eficaz como diurético, anti inflamatório e revitalizante. A Cavalinha auxilia á diminuição do colesterol, como também na inflamação da próstata, em problemas de aterosclerose, problemas de pulmões e ainda na Hipertensão.

Erva-doce:
Esta erva é mais conhecida em Portugal para dar sabor ao cozer as castanhas, no entanto eficaz na solução de gases intestinais e cólicas.

Eucalipto:
O chá de eucalipto têm cheiro muito intenso é um bom expectorante e desobstrui as vias respiratórias.

Flor de laranjeira :
O chá de Flor de Laranjeira é bastante eficaz para acalmar, ajuda a dormir.

Hortelã:
As folhas da hortelã têm também um cheiro bastante intenso e é utilizado não só como chá mas também na culinária.
Actua como um relaxante, eficaz contra a azia e náuseas e é um estimulador das funções cardíacas.

Macela do Campo:
A Macela do Campo é uma erva eficaz como anti inflamatório e nos problemas do sistema digestivo.

Malva:
A Malva é uma erva que se encontra facilmente. A infusão desta erva é utilizada para lavar feridas, é eficaz nas dores, na tosse e nas doenças da laringe (principalmente para nos fumadores).


Manjericão:
Esta erva é utilizada também na cozinha, no entanto é bastante eficaz em problemas provocados por disfunções do fígado e alívio de dores de cabeça.

Maracujá:
O Maracujá é mais conhecido como fruto tropical, têm um cheiro intenso e é um óptimo calmante, ajuda nos problemas de insónia e dores de cabeça.

Melissa:
Esta erva têm um efeito calmante e também é eficaz no combate de gastrite crónica.

Tília:
A infusão de Tília é uma das mais conhecidas, a utilização da casca da Tília é um remédio fantástico para as vias biliares, eficaz na cura de muito problemas de bexiga e também contra a gota.

Tomilho:
Esta erva é eficaz a resolver problemas de cólicas e mau estar intestinal.

Entre milhares de maneiras de se servir chá, deixo-vos uma receita que encontrei no site “terrademinas.globo.com/TVGlobo”.
Espero que gostem, já estou a imaginar o cheirinho.....

Chá de Maçã e Canela:


Ingredientes:

2 pauzinhos de canela
2 dentes de cravo
½ ml de água
gotas de limão
Cascas de 4 maçãs vermelhas

Preparação:
Colocar todos ingredientes num recipiente próprio para ir ao microondas (não falam em quantos minutos, mas 1 minuto deve chegar???)
Coar e servir com rodelas de limão.

Se conhecem mais receitas de chás que queiram partilhar, estejam á vontade...



quarta-feira, setembro 13, 2006

Cheirinho a Natal....


Este post é só para deixar um cheirinho a Natal... em breve...
http://bluestrassbychristmas.blogspot.com/

Dia de Chuva...

Hoje é dia de chuva, nestes dias só apetece estar em casa
agarradinha a quem nós mais queremos bem e namorar... muito.
Mil beijos...Mil abraços... só para ti...

Chuva, porque cais?
Vento, aonde vais?
Pingue... Pingue... Pingue...
Vu... Vu...Vu...
Chuva, porque cais?
Vento, aonde vais?
Pingue... Pingue... Pingue...
Vu... Vu...Vu...
Ó vento que vais,
Vai devagarinho.
Ó chuva que cais,
Mas cai de mansinho.
Pingue... Pingue...
Vu... Vu…
Muito de mansinho
Em meu coração
Já não tenho lenha
Nem tenho carvão...
Pingue... Pingue...
Vu... Vu…
Que canto tão frio,
Que canto tão terno,
O canto da água,
O canto do Inverno...
Pingue...
Que triste lamento,
Embora tão terno,
O canto do vento
O canto do Inverno...
Vu...
E os pássaros cantam
E as nuvens levantam.

Poema de Matilde Rosa Araújo in "O Livro da Tila"

http://portuguesapoesia.blogspot.com/

Por entre tachos e panelas

Hoje deixo-vos duas receitas que aprecio particularmente e são bastantes fáceis de fazer. Espero que apreciem.

Bola de carne

Ingredientes:
- 3 Ovos
- 15 gr.de margarina
- 1 colher de sopa de azeite
- 1 chávena e meia de leite
- 500 gr. de farinha
- 1 colher de chá de fermento de padeiro
- Sal (q.b.)
- Carnes frias picadas (chouriço, linguiça, bacon, fiambre, q.b)

Preparação:
Batem-se os ovos e junta-se a margarina derretida. No leite dilui-se o fermento de padeiro e junta-se ao preparado, de seguida junta-se a farinha e uma pitada de sal, amassa-se bem, rectifica-se se têm sal, dando o desconto que as carnes frias já tem uma quantidade de sal considerável.
Depois deste processo, unta-se um tabuleiro com margarina e polvilha-se com farinha e então coloca-se no tabuleiro metade da massa, depois polvilha-se com as carnes picadas, de seguida coloca-se o resto da massa e deixa-se descansar cerca de 15 minutos, para que o fermento actue. Leva-se ao forno médio a cozer, quando começar a ficar lourinha por cima está pronta. Bom apetite.



Salame com Coco Ralado
(Esta receita foi retirada da revista Cozinha Prática de Sucesso)

Ingredientes:
- 190 gr. de açúcar
- 200 gr. de manteiga
- 2 ovos
- 150 gr. de chocolate em pó
- 70 gr. de coco ralado
- 200 gr. de bolachas Maria
- 50 gr. de amêndoa palitada (facultativo)

Preparação:
Numa tigela amasse bem o açúcar com a manteiga (á temperatura ambiente ou então derretida), junte-lhe os ovos e continue a amassar.
De seguida acrescente o chocolate em pó, o coco ralado e a amêndoa. Parta as bolachas aos pedaços pequenos e incorpore no preparado anterior.
Molde um rolo com a massa e enrole-o numa folha de papel alumínio. Leve ao frio por cerca de três horas.


Duas Sugestões:
Esta receita em vez de um rolo grande de salame, pode ser feito dois mais pequenos e congelar.
Num dia de festa em vez de fazer o salame, enrole pequenos pedaços da massa como se fossem brigadeiros e passe-os por coco ralado, amêndoas picadas ou açúcar.
Bom apetite.

terça-feira, setembro 12, 2006

Crónicas da vida de um gato

Olá, esta semana passei cá para dar um conselho a quem vive no Porto, hoje dia 12 de Setembro estreia no Coliseu do Porto, o musical “Cats” de Adrew Lloyd Webber, este espectáculo fez muito sucesso durante 21 anos no West End em Londres. Quem vive em Lisboa tem que esperar mais umas semaninhas (estreia a 5 de Outubro). Este musical fala das vidas de um conjunto de gatos que vive numa lixeira, então eles contam a história das suas personagens, existe uns gatos maus, outros bons, outros armados em pimpões, existe os gatos mais velhos como a gata Grizabela e o Old Deuteronomy.
Aqui em baixo vai a letra da 1ª canção do musical. Não percam...

Jellicle Songs for Jellicle Cats Lyrics

Are you blind when you're born? Can you see in the dark?
Can you look at a king? Would you sit on his throne?
Can you say of your bite that it's worse than your bark?
Are you cock of the walk when you're walking alone?

Because Jellicles are and Jellicles do
Jellicles do and Jellicles would
Jellicles would and Jellicles can
Jellicles can and Jellicles do


When you fall on your head, do you land on your feet?
Are you tense when you sense there's a storm in the air?
Can you find your way blind when you're lost in the street?
Do you know how to go to the Heaviside Layer?

Because Jellicles can and Jellicles do
Jellicles do and Jellicles can
Jellicles can and Jellicles do
Jellicles do and Jellicles can
Jellicles can and Jellicles do

Can you ride on a broomstick to places far distant?
Familiar with candle, with book and with bell?
Were you Whittington's friend? The Pied Piper's assistant?
Have you been an alumnus of heaven or hell?

Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats

We can dive through the air like a flying trapeze
We can turn double somersaults, bounce on a tire
We can run up the wall, we can swing through the trees
We can balance on bars, we can walk on a wire

Jellicles can and Jellicles do
Jellicles can and Jellicles do
Jellicles can and Jellicles do
Jellicles can and Jellicles do

Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats

Can you sing at the same time in more than one key
Duets by Rossini and waltzes by Strauss
And can you (as cats do) begin with a C
That always triumphantly brings down the house

Jellicle cats are queen of the nights
Singing at astronomical heights
Handling pieces from the Messiah
Hallelujah, angelical choir

The mystical divinity of unashamed felinity
Round the cathedral rang "Vivat!"
Life to the everlasting cat!

Feline, fearless, faithful and true
To others who do what

Jellicles do and Jellicles can
Jellicles can and Jellicles do
Jellicle cats sing Jellicle chants
Jellicles old and Jellicles new
Jellicle song and Jellicle dance

Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Practical cats, dramatical cats
Pragmatical cats, fanatical cats
Oratorical cats, delphioracle cats
Skeptical cats, dispeptical cats
Romantical cats, pedantical cats
Critical cats, parasitical cats
Allegorical cats, metaphorical cats
Statistical cats and mystical cats
Political cats, hypocritical cats
Clerical cats, hysterical cats
Cynical cats, rabbinical cats

Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle bells that Jellicles ring
Jellicle sharps and Jellicle flats
Jellicle songs that Jellicles sing

Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats
Jellicle songs for Jellicle cats

There's a man over there with a look of surprise,
As much as to say, "Well now how about that!"
Do I actually see with my own very eyes
A man who's not heard of a Jellicle cat
What's a Jellicle cat? What's a Jellicle cat?

segunda-feira, setembro 11, 2006

11 de Setembro 2001 – Procura-se a Justiça de Deus.




Naquele dia como estava de folga, resolvi ir para a praia, mas não me sentia bem, o tempo estava estranho, o vento esquisito, o mar revoltoso replicava ruidosamente, “vomitando” umas estranhas algas castanhas...Tudo parecia não bater certo.
Estava com um aperto no peito, aquele que costumo ter quando tenho maus pressentimentos. Não aguentei mais, liguei para a minha mãe para saber se estava tudo bem.
A resposta foi: “Já soubeste o que aconteceu?” Não, eu não sabia...e então soube... Incrédula liguei para o Carlos para confirmar e, até estava disposta a ligar para DEUS para saber aonde é ele estava naquela altura, mas ELE não têm telemóvel!!... então disparei da praia para casa... Quando cheguei é que tive noção da enormidade, do pavor (como diria Artur Albarran “...o drama...”) Tudo o resto são imagens, revolta e vidas despedaçadas. Não é preciso falar mais nada, já muitas palavras foram ditas e escritas e se pudéssemos colocar um anúncio no jornal procurando responsáveis, seria algo parecido com:

Procura-se a Justiça de Deus.
Recompensa: A cabeça de Osama Bin Laden e Mr. Bush.






Já agora um recadinho:


Mr. Bush, a América não é um carrinho telecomandado, se não têm com que brincar, brinque com “aquilo que lhe deram”.
Se é que me fiz entender...


Mr. Osama Bin Laden (se é que se pode chamar de Mr. ou será antes aberração?) O "Deus" que você tanto reclama e invoca é o mesmo "Deus" em que eu acredito, que morreu por nós na cruz, logo duvido que "ELE" quisesse que alguém se matasse por uma crença, nem que matassem inocentes, porque Deus é único (cada religião vê-o é de maneira diferente) e não essa coisa em que vocês acreditam porque isso não é Deus mas sim o Diabo... Já agora qual é o seu problema com a América? Se calhar até queria ser como eles, têm bom remédio, corte o cabelo e as barbas, contacte o cirurgião do Michael Jacson para lhe pôr a pele mais clara, use roupas ditas... mais americanas e talvez a Whitney Houston algum dia olhe para si.


Tenho dito...

sexta-feira, setembro 08, 2006

100 Visitantes

Já alcancei os 100 visitantes ao meu Blog! Urra...Obrigado Pessoal, fico á espera é que deixem mais comentários...vá lá não se acanhem!!!
Fico também á espera que me enviem, caso os queiram ver na Net, fotos do vosso animal de estimação (gato, cão, pássaros, iguanas, ratos, tarântulas, ouriços cacheiros, cágados, etc... ).
Bom fim-de-semana para todos.
Sandra

Sugestões para o fim-de-semana














Galerias Romanas
Mais uma vez as Galerias Romanas que se encontram entre a Rua da Conceição e a Rua da Prata (estão abertas gratuitamente ao público (Será que é este ano que vamos lá?)
Aqui está uma breve descrição das Galerias:
“(...)uma construção da cidade romana de Olisipo, da época do imperador Augusto (século I a.C. - I d. C.).
As galerias constituem um criptopórtico - uma solução arquitectónica que criava, em zonas de declive e instabilidade geológica, uma plataforma de apoio a grandes construções.
Supõe-se que estas galerias estivessem ligadas à zona portuária da Lisboa Romana.(...)”
in www.lisboacultural.pt

2ª Edição do Mundial de Pirotecnia
Pela 2ª vez Lisboa é invandida por estrondos e milhares de estrelinhas e cascatas de cores. A boa nova é que este ano não vamos ter de deixar o carro quase em Algés (sim, sim, isso aconteceu-me...) nem ver um dos espectáculos no meio do trânsito, uma vez que este ano o evento mudou-se de malas e bagagens para a Expo.
Durante este mês todos os sábados pelas 23.00, vamos todos arranjar um torçicolo no pescoço pensar que estamos na Santa Terrinha e ver as maravilhas do fogo de artíficio.
Entrada Livre.

Miss Daisy
Não percam a oportunidade de ver a grande senhora do Teatro, Eunice Munoz regressa aos palcos do Auditório Municipal com a peça Miss Daisy de Alfred Uhry também com os actores Thiago Justino e Guilherme Filipe, com cenários e figurinos de José Costa Reis e Direcção de Celso Cleto.
Aud. Municipal Eunice Muñoz (Oeiras)
4ªs, 5ªs, 6ªs feiras e Sábados - 21H30 / Domingos - 17H00
Mais informações em www.cm-oeiras.pt

Hamlet de William Shakespeare
O Grupo de Teatro TapaFuros apresenta Hamlet de William Shakespeare, na Quinta da Regaleira, sem dúvida uma forma diferente de ver Teatro.
Entre 06 Julho a 09 Setembro (este é o último fim-de-semana!!!) na Quinta da Regaleira em Sintra pelas 22,00, é aconselhado levar calçado confortável e agasalhos.
R. Barbosa du Bocage
Tel.: 219 106 650
Com António Pedro Faria, Flávio Tomé, Filipe Araújo, Hugo Samora, Inês Pereira, João Vicente, Paulo Cintrão, Rute Lizardo e Samuel Saraiva
Encenação Rui Mário
Música original Pedro Hilário
Mais informações em www.tapafuros.com